segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Via Lactea

Toda história do mundo se repete
dentro do meu corpo
Cartago cai e Roma se
expande
germanos, arianos, visigodos
ameríndios
descobrimos pinturas em cavernas
conquistamos a China

Nosso corpo é um Big Bang em expansão
e colapso constante
(se você encostar o ouvido na pele
de longe ouvirá o estouro de poeira cósmica
ou ruínas se desfazendo)

No seu corpo também escuto o canto de animais extintos
posso sentir as frequências de naves espaciais
Galáxias inteiras
numa espinha que surgiu

Fechamos os olhos
o cheiro de novidade surge:
o milho, o café, o álcool acabaram
de ser descobertos
Meus olhos trazem angústia e medo
do apocalipse do seu corpo que se anuncia
toda vez que nos tocamos
mas às vezes tenho dúvidas
se não é apenas
o início dos tempos.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Signos inegáveis do outono começam a aparecer na minha sala. Folhas caídas amareladas, no chão sem eu nunca as ter plantado. Achava que o outono fosse coisa só do outro lado do planeta, mas descobri que a minha sala pode conter o outro lado do planeta, nessa época do ano.
Um parque do futuro quem sabe da sinais no meu sinteco.
Não páro de encontrá-las. Começo a varrer e descubro mais. Como os cabelos que te caem e só percebemos quando varremos a casa. Alguns momentos eu penso se vou ficar careca.
Então, imagino árvores peladas na paisagem.
mas não vejo pelas ruas.
até agora só folhas caídas.
E besouros que fingem ser ventiladores de teto

segunda-feira, 3 de abril de 2017



Às vezes abro os olhos no meio do beijo. É um hábito de menina. E comecei a reparar como ele me beija. É profundo, é intenso. Ele se entrega e nem percebe de olhos fechados.Já juramos num altar, já nos fizemos homem e mulher tantas vezes e mesmo assim, é beijando de olhos fechados que consigo ver, às vezes em microssegundos antes que ele perceba meus olhos. Vejo. É bonito. É uma imagem que só eu posso ver, dos meus olhos. àquela distância ínfima. 
Às vezes abrimos os olhos juntos. E começamos a rir. É engraçado querer surpreender o outro, roubar no jogo do beijo de olhos fechados e ser surpreendido. Aí ficamos com aquela cara de bobos. Parecendo que mal nos conhecemos, envergonhados. Nunca perguntei o que ele acha desses momentos, nem vou.
Talvez, a gente se reconheça, mais uma vez ao final de cada beijo. Muito prazer, encantada. Um namastê particular: cumprimentamos o reino de um que habita dentro do outro.